Crítica: Justiceiro – War Zone

Punisher - War Zone
Punisher - War Zone

Mais um para a lista: Direto para o DVD ou Meses e anos depois da Estréia. Enfim, Justiceiro – Zona de Guerra estreou creio eu dezembro do ano passado. Não foi muito bom de bilheteria, por que era um filme para maiores de 18 e porque Justiceiro não é tão popular mesmo. Enfim, a resenha.

O filme é muito violento. FATO. Ele se baseia na Linha Marvel MAX, onde literamente o sangue jorra, menininhas não podem entrar e os machos dominam. Justiceiro – War Zone não é um filme para pessoas de nervos fracos. Como diria o Galvão Bueno: “É teste para cardíaco!”. A história do filme é: Dois anos se passaram desde Justiceiro, o primeiro. Justiceiro continua sua caça aos grandes chefes da máfia. Frank Castle se tornou muito violento, impiedoso e sangue frio. Porém, por acidente, ele acaba matando um agente federal infiltrado e desfarçado na máfia. Matar um homem de família faz com que Frank Castle repense tudo que tem feito e ele resolve se aposentar. Entretanto, um bandido que acabou sobrevivendo a ele fica estremamente deformado e se torna o Retalho (Quem lê quadrinhos conhece).

O filme é violento sim. Cabeças vão rolar, literalmente. Creio que o Justiceiro não faz sucesso, porque no cinema ele é só mais um. Nos quadrinhos ele é o diferencial, é o heroi que mata, mas no cinema isso é mais do que normal. O filme é bem legal. É mais fiel aos quadrinhos que o primeiro. Aliais, ele é muito filme. Poucos detalhes são diferentes dos quadrinhos. Não um filme super sensacional e chuta o oscar para longe, mas vale muito a pena.

Nota 8 para o filme. Quem curte uma boa carnifinica vai se passar. Esse filme vai cansar de reprisar no FX um dia, assim como Justiceiro 1. 🙂

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada é um vigilante.

Por Akanadin.

Anúncios