Crítica: Piratas do Caribe 4 – Navegando em Águas Misteriosas (Pirates of the Caribbean – On Stranger Tides)

Piratas do Caribe 4

Piratas do Caribe 4

Piratas do Caribe. O que começou apenas como uma simples atração do parque da Disney se tornou um sucesso tremendo de bilheteria e inegavelmente umas das maiores franquias do cinema. Por que não? O primeiro filme figura como um dos melhores e mais divertidos da década passada. O problema vem após isso. Ninguém esperava o seu sucesso e como tudo que faz sucesso Piratas do Caribe tinha que ser continuado, aumentado, explorado. Isso é lógico. Não vejo problema nenhum nisso. Na verdade, eu incentivo, eu aprecio isso. Uma grande idéia não pode morrer, tem ganhar asas e voar, sendo mais poético. O que acontece é que nem tudo sai como esperado e as coisas podem ficar ruins. O resultado são dois filmes fracos e desastrados que são Piratas do Caribe – O Baú da Morte e Piratas do Caribe – O Fim do Mundo. O segundo filme é até bom. Talvez se o terceiro filme fosse melhor feito e resolvido, eu o olhasse com bom olhos, mas para mim o segundo filme não funcionou. Muito, mas muito exagerado e apelativo. Aqui nós já temos a figura do ator Johhny Depp explorada até não dar mais. É o famoso “Efeito Wolverine”: Se o personagem faz sucesso, vamos abusar dele até não dar mais. Se o Johnny Depp é tão carismático e o Jack Sparrow é tão popular, ele que segure o filme que vamos lucrar mais e chega mesmo a segurar, mas isso não quer dizer que é melhor assim. Ele segura o filme, mas ele fica balançando. A qualquer momento ele perde o equilíbrio e tudo pode desmoronar e não deu outra: Piratas do Caribe – O Fim do Mundo. Falando aindo do segundo filme, o Baú da Morte é um filme muito exagerado e pretencioso. Ele joga coisa demais para o terceiro filme resolver e talvez sem necessidade. O filme aprofunda na trama de Will Turner e seu pai, que estava muito bem resolvida no primeiro filme, e joga para o terceiro resolver e este o faz nas coxas. Joga milhares de coisas para o terceiro filme explicar e concluir e fica perdendo tempo com bobagens como aquela longa e desnecessária sequência dos índios canibais ou aquela cena exagerada de luta da roda giratória. Era óbvio que o terceiro longa ia ser uma p******. Com um diretor mais competente e mais capaz isso poderia ser evitado, mas é querer demais.

Bom, eu poderia fazer mais dois longos parágrafos sobre os problemas dos dois últimos filmes, mas estamos aqui para falar do quarto Piratas do Caribe que estreou ontem nos cinemas. O que eu posso dizer? A franquia não poderia ter tomado um rumo melhor.

Piratas do Caribe 4 - Navegando em Águas Misteriosas

Piratas do Caribe 4 - Navegando em Águas Misteriosas

Piratas do Caribe 4 – Navegando em Águas Misteriosas traz a série de volta para suas origens. Este filme ainda não supera o primeiro Piratas do Caribe, mas é um passo positivo para conseguir algum dia essa façanha. Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas pega o gancho de história do final do Piratas do Caribe – O Fim do Mundo, o que era previsível até e já havia sido noticiado a muito tempo atrás. Johnny Depp está melhor neste filme do que nos dois últimos. Apesar dele ainda ter quase toda a responsabilidade de carregar o filme nas costas, ele está bem menos apelativo neste e continua a manter a qualidade do personagem. Por mais que os filmes mudem, acho que podemos sempre podemos esperar algo interessante do personagem Capitão Jack Sparrow por mais apelativo que ele seja usado. O filme não é tão ousado quanto poderia ser e talvez assim seja até melhor. É um filme bem divertido.

O filme tem seus pontos negativos. O romance apresentado no filme, uma tentativa muito falha em substituir o casal Will Turner e Elizabeth Swann, não funciona. É forçado, clichê e feito nas coxas. Entretanto, o filme também tem outro núcleo romântico que é nada mais nada menos entre Jack Sparrow e Angelica (Penelope Cruz), o que não é spoiler para ninguém, que funciona muito melhor. Além de não tentar repetir a fórmula do casal clássico, eles tem um entrosamento até que muito bom, sem ser previsível ou clichê. O filme tem várias pontas soltas e furos, além de muitas situações que poderiam ser resolvidas de maneira mais inteligente e eficaz e também há cenas que poderiam ser removidas do filme que não fariam falta. Mesmo assim há muitas cenas boas e bem boladas até, pode-se relevar os problemas e divertir-se.

Sem me alongar mais, Piratas do Caribe 4 – Navegando em Águas Misteriosas cumpre a principal missão de ser melhor que os dois últimos filmes, o que não era muito difícil, e dar um novo rumo para os filmes. Achei que o filme cumpriu bem a sua função. O filme não é tão bem amarrado quanto o primeiro e alguns coisas poderiam ser retiradas e/ou alteradas para dar mais agilidade e dinâmica ao filme, mas o resultado final é bem positivo e é uma grande opção para quem quer ir ao cinema.

Nota 7,2 para Piratas do Caribe 4.

Nota 7,2 = Linguiça de Porco

Nota 7,2 = Linguiça de Porco

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é Piratas do Caribe 4.

Por Akanadin.

1 thought on “Crítica: Piratas do Caribe 4 – Navegando em Águas Misteriosas (Pirates of the Caribbean – On Stranger Tides)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s