CRÍTICA: Capitão América – Guerra Civil

CRÍTICA: Capitão América – Guerra Civil.

O amadurecimento do Universo Marvel Cinematográfico.

Capitão América - Guerra Civil
Capitão América – Guerra Civil

E finalmente estreia Capitão América – Guerra Civil e começa a fase 3 da Marvel Studios. Logo de cara teremos um racha na equipe principal de heróis para apenas retornar em Vingadores – Guerra Infinita.

O filme é uma adaptação livre do quadrinho da Guerra Civil. Sendo uma continuação de Capitão América – Soldado Invernal e Vingadores – Era de Ultron também, o filme toma um caminho próprio e aproveita apenas a essência e algumas passagens, mas contextualiza tudo com o Universo do Cinema. O mais importante está no filme e todos os objetivos foram cumpridos.

Interessante falar sobre a questão da lei do registro, abordada não somente em Guerra Civil, mas em várias outras histórias em quadrinhos, é que é uma batalha sempre sem vencedor e todos os lados estão totalmente certos nem totalmente errados. Isso se reflete no filme onde não há vitória no final e temos um desfecho triste, apesar de mais limpo que o dos quadrinhos.

Captain America – Civil War

Visualmente o filme é fantástico. As cenas são muito bem coreografadas e nítidas. Também é um dos melhores 3D que assisti no cinema, muito deve-se a sala em que assisti o filme.

As cenas de ação são fantásticas, onde cada personagem tem um estilo único de lutar e usar seus poderes e assim os irmãos Russo conseguem criar cenas extremamente criativas e empolgantes. Em Capitão América – O Soldado Invernal eles fizeram uma ação pé no chão, mas ainda assim com três personagens incomuns (Capitão América, Soldado Invernal e o Falcão). Em Capitão América – Guerra Civil eles tem que utilizar personagens muito mais poderosos e conseguem fazer isso com maestria.

Capitão América (Capitão América – Guerra Civil)

Capitão América acredita na liberdade e também que os heróis precisam de autonomia para agir. O que acontece se mandá-los fazer algo que sabem que é errado e tem de fazer ou o que acontece quando eles sabem que tem que fazer algo certo e não tem permissão de fazer. Ele chega a duvidar de suas ações em alguns momentos, mas acaba mantendo seu posicionamento até o fim.

Os irmãos Russo conseguiram tornar o Capitão um dos personagens mais bad-ass do cinema e sem distorcer a personalidade do dele. Ele luta contra praticamente todos os personagens do filme tanto fisicamente quanto ideologicamente.

Homem de Ferro (Capitão América – Guerra Civil)

Homem de Ferro teve um grande amadurecimento do seu primeiro filme para cá e ele tem um grande senso de responsabilidade e culpa agora. Não tenta mais controlar tudo, mas ainda age de maneira prepotente em certos sentidos. Acaba sendo um personagem muito humano e falho.

No filme temos a participação mais dramática do personagem onde ele solta quase nenhuma piada e vemos uma faceta bem séria dele. No final, o personagem acabou bem quebrado e perdeu muito com essa guerra.

Soldado Invernal (Capitão América – Guerra Civil)

O Soldado Invernal tem mais da sua origem revelada e no filme temos o final do arco dele. A história e presença dele tem ligação não apenas com o próprio Capitão América quanto com o Homem de Ferro e o Pantera Negra, além do Zemo.

Ele é a peça do tabuleiro que faz as outras se posicionarem e sem ele talvez não houvesse conflito, pois talvez os personagens não precisassem se enfrentar, mas por causa dele eles precisam agir, nem por sua culpa.

Pantera Negra (Capitão América – Guerra Civil)

O Pantera Negra tem uma importância muito grande no filme e o o personagem foi adaptado de forma muito imponente para o cinema. Apesar de lutar do lado do Homem de Ferro, ele é o elemento neutro da guerra e está ali por suas próprias motivações e acrescenta muito a trama.

Homem-Aranha (Capitão América – Guerra Civil)

O Homem-Aranha tem uma participação pontual no filme e somos apresentados a melhor versão do personagem no cinema até agora. Personalidade, senso de humor, cartuchos de teia, uniforme e até mesmo o sinal do aranha, tudo está lá. Apesar de curta, a entrada do Homem-Aranha na história casa com a trama, pois o seu ideal de grandes poderes e grandes responsabilidade tem tudo haver com as ideologias discutidas.

O Barão Zemo é um caso peculiar. Não tem nada haver com os quadrinhos, mas seu personagem tem uma participação bem interessante no filme. Seria melhor se fosse um personagem novo e não o Zemo, mas eu não tem problemas com mudanças, desde que contribuam de forma positiva para o filme. Capitão América – Guerra Civil é muito diferente dos quadrinhos, mas o filme continua sendo excelente e o Zemo do filme não é o Zemo dos quadrinhos, mas é um bom vilão. Não um grande vilão, pois o verdadeiro inimigo é o conflito dos heróis, ele apenas manipula as coisas para que exploda a Guerra Civil.

Capitão América – Guerra Civil

Todos os demais personagens tem seus arcos próprios e funções na trama e são muito bem usados tanto na ação quanto na história. Os irmãos Russo souberam lidar muito bem com uma grande quantidade de personagens, talvez até melhor que o Joss Whedon em Vingadores e vemos que os dois foram sim uma excelente escolha para dirigir Vingadores – Guerra Infinita.

Diria que é o filme mais pesado da Marvel. Ainda é PG-13, mas há umas cenas mais fortes do que estamos acostumados a ver nesse universo e acontecimentos que são bem sombrios, apesar de ainda ser um filme muito divertido e leve em alguns momentos. Souberam equilibrar muito bem as emoções que o filme trabalha.

Capitão América – Guerra Civil (2016)

O filme é muito emocional. Os personagens são motivados por determinação, vingança, justiça, lógica e também lealdade contra amigos que eles não querem enfrentar e um situação que eles não podem vencer. Seja do time do Capitão América ou do time do Homem de Ferro, todos eles tiveram de perder alguma coisa.

Em suma, Capitão América – Guerra Civil é um excelente filme. Um dos melhores filmes de super-herói já feitos. Possui cenas de ação incríveis, um questionamento muito interessante, ótimo desenvolvimento de personagem, um drama envolvente, um roteiro muito redondo e uma ritmo excelente. Mostra um amadurecimento muito grande no Universo Cinematográfico Marvel. Altamente recomendado.

Nota
10

Mundo Bignada, onde nada é um novo mundo e nada é Capitão América – Guerra Civil.

Por Akanadin.

Anúncios

Autor: Akanadin

Akanadin, o criador e dono do blog Mundo Bignada.

2 opiniões sobre “CRÍTICA: Capitão América – Guerra Civil”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s