The Avengers (Os Vingadores) – Novos Banners do filme, Joss Whedon fala sobre os personagens e… Spoiler

The Avengers (Os Vingadores) – Novos Banners do filme, Joss Whedon fala sobre os personagens e… Spoiler.

Avengers Banner Mosaico
Avengers Banner Mosaico

Nesta semana sairam vários banners bem legais do filme dos Vingadores, cada um com um personagem. Abaixo, cada banner separadamente:

Captain America - Banner
Capitão América - Banner
Iron Man - Banner
Homem de Ferro - Banner
Thor - Banner
Thor - Banner
Bruce Banner (Hulk) -Banner
Bruce Banner (Hulk) -Banner
Black Widow - Banner
Viúva Negra - Banner
Hawk Eye - Banner
Gavião Arqueiro - Banner
Nick Fury - Banner
Nick Fury - Banner
Loki - Banner
Loki - Banner

Além dos banners, sairam outras novidades.

Joss Whedon, diretor e roterista de The Avengers -Os Vingadores, falou ao Yahoo! Movies sobre o processo de criação do aguardado filme.

Sobre o Homem de Ferro de Robert Downey Jr., o veterano entre o time de heróis (com dois filmes e mais um a caminho), Whedon diz ser uma questão de abordar onde Tony Stark está: Nossas conversas foram mais sobre ‘Quem é ele agora? Para onde ele está indo entre Homem de Ferro 2 e Homem de Ferro 3?’ O personagem já foi bem delineado, então foi mais questão de ‘O que queremos abordar agora, o que queremos dizer’?.

Por outro lado, Hulk exigiu um pouco mais de cuidado.”Trabalhamos mais esse personagem do que qualquer outro, pois estávamos começando do zero e lidando ao mesmo tempo com algo que já foi personificado diversas vezes. Eu e Mark [Ruffalo] concordamos que a base do personagem seria a série de TV, onde o Hulk de Bill Bixby era um cara preocupado em ajudar as pessoas. Isso era mais interessante para nós do que o [Bruce] Banner dos dois primeiros filmes [nas versões de Eric Bana e Edward Norton], fixado em encontrar uma cura“, explicou.

Para ajudar nessa construção do novo Hulk, Whedon e Ruffalo partiram para briga, segundo o diretor: “Nós literalmente pegamos um colchonete e lutamos um pouco. Apenas para falar sobre o lado físico e também o lado físico de alguém que precisa controlar essa coisa, para aprender a forma como ele se move no espaço e a maneira como ele se relaciona com as pessoas e os objetos que o cercam. Foi extremamente divertido. Descobrimos que ele pode ser muito desajeitado e estranho, mas ao mesmo tempo gracioso, com um controle quase transcendente de si mesmo“.

Sobre lidar com extremos – o Gavião Arqueiro com o arco e flecha e o deus Thor com trovões – o diretor revela que conseguiu criar uma atmosfera onde todos são importantes: “Criamos uma situação onde todos podem ser úteis e todos podem estar em perigo, e que podem agir com um time mesmo que – como vimos na primeira edição de Os Vingadores nos quadrinhos – não existe nenhuma razão para que essas pessoas estejam no mesmo time“.

Além das palavras do diretor Joss Whedon, o site da Marvel traz uma informação intrigante.

O novo site de Os Vingadores – The Avengers, filme doMarvel Studios que reunirá todos os super-heróis que ganharam as telas nos últimos anos pela empresa, traz os recém-divulgados banners, o trailer e biografias de todos os personagens. É pouco conteúdo ainda, mas entre os textos que recontam origens conhecidas, há uma interessante informação sobre Loki (Tom Hiddleston), o vilão do filme.

Depois que sua tentativa de obter o trono de Asgard foi frustrada pelo seu irmão Thor, o maligno Loki fugiu para terras desconhecidas para planejar sua vingança. Não apenas contra Thor, mas contra a Terra, cujos habitantes Thor agora protege. Loki retorna com um plano nefasto para conquistar o nosso planeta e não vai parar por nada até que sua visão seja concretizada. Mas quando seus abusos de poder ameaçam todo o planeta, pode ser necessário mais do que os Vingadores para impedi-lo.

O trecho final é que causa o interesse: “Pode ser necessário mais do que os Vingadores para impedi-lo”. O que a Marvel estaria insinuando aí? A presença de uma força ainda mais poderosa que os maiores heróis da Terra? Seria mesmo Thanos, que boatos colocam no filme ao lado do antagonista asgardiano?

No filme, escrito e dirigido por Joss Whedon, quando surge um inesperado inimigo que ameaça a segurança global, Nick Fury se vê na necessidade de organizar um time para evitar o desastre mundial.

Os Vingadores – The Avengers estreia em 4 de maio de 2012.

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é The Avengers – Banners, Joss Whedon e Spoiler.

Por Akanadin.

Anúncios

Dragon Age – Redemption – Episódio 06 – Saarebas

Dragon Age – Redemption – Episódio 06 – Saarebas.

Acima, o última episódio da web série Dragon Age Redemption. Assistam aew.

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é Dragon Age 06.

Por Akanadin.

Na Teia do Porco-Aranha – The Walking Dead Wars – Os Cinco Kages Reunidos (Água, Terra, Ar, Fogo, Coração – Invoquem o Capitão Planeta para enfrentar Uchiha Madara!)

Na Teia do Porco-Aranha – The Walking Dead Wars – Os Cinco Kages Reunidos (Água, Terra, Ar, Fogo, Coração – Invoquem o Capitão Planeta para enfrentar Uchiha Madara!)

Na Teia do Porco-Aranha
Na Teia do Porco-Aranha

Porco-Aranha! Porco-Aranha! Meio Porco! Meio Aranha! Cuidado! Ele é o Porco-Aranha!

Mais uma análise dos atuais acontecimentos do mangá Naruto. Nesse caso, a batalha dos cinco kages contra Uchiha Madara Zumbi.

Para início de conversa… Kishimoto entrou numa campanha pessoal cujo objetivo é superar Dragon Ball como o mangá a ressuscitar mais personagens. XD

Naruto - Army of Darkness - The Walking Dead Zombie Shinobis
Naruto - Army of Darkness - The Walking Dead Zombie Shinobis

Para início de conversa, essa guerra em Naruto é a maior fraude. De um lado, o “exército do bem” que é a Aliança Shinobi, composta por todos os ninjas das cinco nações. Do outro lado, um exército de Zetsus (Clones do Primeiro Hokage) e Shinobis revividos…

Ou seja… A Aliança Shinobi vai vencer a guerra sem tirar nenhuma única vida. Os Zetsus são apenas “Clones” e os shinobis ressuscitados são selados, pois não podem ser destruídos. Bonito, seu Kishimoto. Assim, você mantém a “pureza” do seu protagonista… Mesmo que ele seja uma bichinha, ele não mata e nenhum dos outros ninjas DO BEM matam, pois…

MATAR É FEIO, HEIN CRIANÇADA! XD

Mr. MacKey - Matar é feio, crianças... MMMKAY
Mr. MacKey - Matar é feio, crianças... MMMKAY

Bom… A guerra em seus momentos finais tem uma reviravolta f*****, quando vemos Uchiha Madara em pessoa estar em meio ao exército de ressuscitados do Kabuto. Assim, o mangá ganha um retrocesso de vários anos (Voltam as teorias de banheiro de Tobi=Obito) e assim mais um mistério aparece para ser respondido no final do ano que vem, sendo otimista.

Enquanto não sabemos quem diabos é Tobi, temos uma luta entre Uchiha Madara e… Os cinco kages. Seria THE ULTIMATE HYPE FIGHT EVER, se o Kishimoto não tivesse feito a força dos Kages ficar tão… Ultrapassada ao longo de seu mangá. Tsunade vai só curar ali e nada mais, querem só ver?

Ou… Eles podem combinar os seus poderes e fazer o Kuchyose no Jutsu Supremo: Invocar o Capitão Planeta com a união dos cinco elementos. LOL

Os Cinco Kages unem seus poderes e invocam o Capitão Planeta
Os Cinco Kages unem seus poderes e invocam o Capitão Planeta

A minha previsão é que eles vão derrotar e selar Uchiha Madara em dois/três capítulos com no máximo o sacrifício do velho Oonoki. É esperar pra ver… Bem que podia morrer a Tsunade. XD

BignadaForever, onde nada é para sempre, menos os Ninjas Zumbis e Carinhosos de Naruto.

Por Porco-Aranha.

Crítica: Besouro

Crítica: Besouro.

Besouro
Besouro

Um filme brasileiro sobre um lutador com “super-poderes”. Somente por apresentar algo assim, saindo da mesmice do cinema nacional, Besouro já ganha uns pontinhos positivos comigo já por conta.

Este é um filme de muitas facetas. No primeiro ato vemos uma história sobre artes marciais, capoeira mais precisamente, e sinto eu que teria gostado mais do longa se ele seguisse assim até o fim. No segundo ato somos apresentados a magia. Aqui o filme adquiri um caráter sobrenatural. Somos “bombardiados” com mitologia e o herói ganha seus poderes. No terceiro ato, temos já o confronto do herói com os vilões sendo o vilão o “racismo” em sua personificação mais marcante aqui no Brasil, que é esse tempo da escravidão. Aliáis, isso é abordodado no filme inteiro. A história se passa 40 anos após a abolição da escravidão e… Como deveria ser, os negros ainda são meros… Ahn… Escravos. XD

Bom, eu esperava mais do filme. Aliais, eu esperava outra coisa. Pensei em ir ver um filme com belas cenas de luta e capoeira, mas isso fica em segundo plano. Achei o filme carregado demais: Escravidão, capoeira, misticismo… Ficou meio cansativo, além da figura do Besouro estar longe de ser um “super-herói”. Em todo o filme há um clima depressivo e o Besouro não é lá um salvador, mas um lenda. Falando nisso, o filme está mais interessado em construir a mitologia do Besouro, do que trabalhar o humano em si. Muito provável que isso tenha sido proposital, mas… Ficou meu vazio as motivações dele, se é que existem. Ou foi falha do ator ou… Não sei. É um filme bem… “Viajado” mesmo. Fuga do realismo.

Em termos técnicos… Normal. Não fede nem cheira. Não há uma cena de ação memorável e impressionante. Mesmo os combates com capoeira feitos com uma boa coreografia cansam com o passar do tempo. Não é algo empolgante, alucinante, eletrizante. E os efeitos especiais em si são poucos, coisa básica. As atuações também são normais.

Não é ruim o filme, mas também está longe de ser memorável. Cansativo, mas esforçado, Besouro é legal, mesmo que derramando escravidão e misticismo na nossa cara (Até o Exu em pessoa aparece no filme). É uma experiência interessante.

Nota 3,5 para Besouro.

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é Besouro.

Por Akanadin.

Crítica: Atividade Paranormal 3 (Paranormal Activity 3)

Crítica: Atividade Paranormal 3 (Paranormal Activity 3).

Paranormal Activity 3
Paranormal Activity 3

Quem diria que chegaria tão longe. Atividade Paranormal chega ao seu terceiro filme (Quarto contando com o “spin off” em Tóquio). Aquele que se bem me lembro impressionou muita gente em um festival de cinema e foi ganhando fama e se tornou uma franquia firme e lucrativa de filmes.

Bom… Atividade Paranormal 3 ainda é mais do mesmo. Continua aquele “Jogo dos Sete Erros – O Filme”. Este filme se passa antes do segundo filme e o segundo filme se passa antes do primeiro. Nesse ritmo, em três a quatro teremos “Atividade Paranormal 7 – Loucuras na Idade Média”.

Atividade Paranormal 3
Atividade Paranormal 3

Bom… Deixando as brincadeiras e piadas infames de lado um pouco… Não sei se foi impressão minha ou foi o efeito cinema, mas achei este filme superior aos demais. Melhor que o segundo ao menos, mas pode ser apenas empolgação do cinema, apesar de que ver em casa no escuro em tese é mais assustador, mas… O caso é que eu me diverti mais. Acho que deve ser o efeito cinema mesmo. XD

O caso é que o primeiro filme tem como personagens apenas um casal. Há também a presença de um “especialista” que faz uma ponta no filme, mas ele é centrado num casal. Já o segundo tem um casal, uma filha pequena e uma filha mais velha, além do casal do filme anterior. Neste temos um casal, duas filhas, um amigo do marido, uma babá, uma vovó do mal e… Mais umas pessoas. As continuações sacrificam aquele ar de “Alone in the Darkness” e colocam crianças lá, um atalho pra causar tensão. Outro fator é que agora há muito mais “pirotecnia”, mais “acrobacias”, enfim, mais “efeitos”. Não que isso torne Atividade Paranormal 2 e 3 grandes produções, mas… Vocês me entenderam. xD

Sem enrolar mais… Atividade Paranormal 3 é como os outros anteriores um filme pra assistir com os amigos e dá uma zoada no cinema, sem levar muito a sério. Esse terceiro tem um ritmo melhor por assim dizer, não foi tão cansativo quanto o segundo, mas pode ser só impressão minha. Eu diria que é mais do mesmo de uma forma mais caprichadinha. Vá assistir sem expectativas, com amigos e ciente do que vai ver. Pode se divertir ao menos, senão tiver nada melhor passada. Querendo ou não, as franquias fazem sucesso por algum motivo… Ou não. XD

Nota 5,3 para Atividade Paranormal 3.

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é Atividade Paranormal 3.

Por Akanadin.

Crítica: 11-11-11

Crítica: 11-11-11.

11-11-11
11-11-11

Já faz muito que eu não vejo um filme sem saber absolutamente nada sobre a história e sequer seu título me dava alguma pista sobre o que iria acontecer. Assisti ao trailer há alguns dias atrás e vi que se tratava de um filme de terror. Bom… Assisti ao filme hoje, dia 11-11-11, a mesma data que dá nome ao filme e… Não tenho muito vontade de ver o filme em outro dia. XD

É um bom filme, mas… Esquecível. Sua história é boa e se sustenta bem, mas… Cansa. Ele usa de religião como recurso para causar tensão, recurso usado por muitos filmes que na maioria das vezes produz algo apelativo, pois é meio que uma solução fácil usar o terror religioso para assustar. No caso do filme, eu achei que funcionou muito bem. Outra questão é utilizar de uma data como escada para o sucesso do filme. 2012 é um filme ruim e que usou da história do fim do mundo para chamar o público, assim como este filme que estréia na mesma data de seu título. Nesse caso, há o uso constante do número 11. As coisas acontecem as 11 horas e 11 minutos, 11 aparece em vários lugares, o número 11 tem um significado, etc… Isso é até legal e cumpriu sua missão, mas… De longe não vai virar um tabu. Esse conceito cansa, pois é bem abusado ao longo do filme. Enfim… 11-11-11 não é um filme que vai ficar na memória das pessoas.

11-11-11 - The Movie
11-11-11 - The Movie

Do mesmo diretor de Jogos Mortais, não há como não lembrar de Jogos Mortais ao ver o final do filme, só faltou a mesma OST. Apesar disso, até que é um bom final. Escapa da obviedade, sem ser forçado.

O filme é bom e a história é até bem interessante. Ele tem seus problemas, mas vale uma conferida. O terror é até legal, o problema é que a mesma fórmula do susto é simplesmente usada no filme INTEIRO, que é alguma pessoa ou “coisa” aparecer por trás do personagem ou escondida em algum lugar do nada. Isso cansa. É eficaz, mas é preguiçoso. Repetitivo, faltou criatividade. Em suma, é um bom filme. Não é divertido e falha em causar paranóia, mas tem um roteiro legal e cumpre sua missão.

Nota 6,111111 para 11-11-11.

BignadaQuasar, onde nada é cósmico e nada é 11-11-11.

Por Akanadin.