Crítica de Game – YU-GI-OH! – WORLDWIDE EDITION GBA

Crítica de Game – YU-GI_OH! – WORLDWIDE EDITION GBA.

YUGIOH! - WORLDWIDE EDITION GBA
YUGIOH! - WORLDWIDE EDITION GBA

Esse jogo é muito bom. Joguei até umas semanas atrás por que ele é mesmo muito bom. Na minha opinião, ele é o primeiro grande jogo de Yu-Gi-Oh! e ele foi lançado na época da melhor saga do anime: Saga de Marik.

O que falar desse jogo? Ele é sobre o Torneio de Kaiba, a Batalha na Cidade e você tem que se tornar o fodz dela.

O que mais é interessante neste jogo é que quando ele foi lançado ele era o melhor jogo de Yu-Gi-Oh! de todos. Numa época em que meu computador suava para rodar ele, você pode enfrentar Yugi e os outros personagens do anime.

Nota 10 para Worldwide GBA.

Nota 10 = Feijoada Completa
Nota 10 = Feijoada Completa

Altamente recomendado.

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada é Mundial.

Por Akanadin.

Anúncios

Crítica de Game – Yu-Gi-Oh! – Eternal Duelist Soul

Crítica de Game – Yu-Gi-Oh! – Eternal Duelist Soul.

Depois de um breve aquecimento, vamos aos jogos de Yu-Gi-Oh! que realmente importam: Os jogos dos portáteis da Nintendo.

Começamos pelo clássico e o primeiro de todos: Eternal Duelist Soul.

Yu-Gi-Oh! - Eternal Duelist Soul
Yu-Gi-Oh! - Eternal Duelist Soul

Esse o uns dos primeiros ou mesmo o primeiro jogo de Yu-Gi-Oh!, pelos menos o primeiro que eu joguei, numa época em que meu computador não aguentava esses gráficos e minha internet baixava 1MB por hora.

Esse jogo é muito bom. Não cheguei a zerar. Não tive interesse em chegar até o final dele, pois pouco tempo depois lançou um jogo de Yu-Gi-Oh! da mesma plataforma, que fez o vício brotar. Depois falarei dele.

Não me lembro muito desse jogo para falar a verdade, mas ele tem o mais importante: Regras. Ele tem as mesmas regras que o TCG original e isso o torna excelente. Para o contesto da época, esse jogo é o melhor possível.

Nota 9 para Eternal Duelist Soul.

Nota 9 Porco-Assado
Nota 9 Porco-Assado

Um delicioso Porco-Assado que é muito bom. 🙂

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada é Eternal.

Por Akanadin.

Crítica de Game – Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories

Crítica de Game: Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories.

Prometi há um certo bom tempo atrás  eu prometi que faria a crítica de toda uma gama dos melhores jogos de Yu-Gi-Oh! e esse dia finalmente chegou.

Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories
Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories

Esse é o “clássico” jogo para Playstation 1, que devo dizer que já foi muito popular há um tempo atrás.

Hoje vendo esse jogo, porque eu tenho CD de PS1 dele e posso dizer que…

Esse jogo é muito ruim.

Para a época, era um baita jogo de Yu-Gi-Oh!. O primeiro que teve a animação em CGi das cartas. Você atacava e podia ver a batalha em 3D dos monstros se enfrentando, mas…

Era um jogo muito bizarro e também robado pra caramba. Primeiro que tinha a opção de comprar cartas utilizando de um código/password e tinha o preço da carta. Tinha cartas cujo preço era 99999, sendo que você somente ganha 5 unidades de dinheiro por duelo.

Fazendo um a divisão rápido: 99999 % 5 = usando rapidamente a calculadora do Windows  e temos um resultado bem absurdo de dueles que o cara teria que fazer para comprar uma dessas malditas cartas.

Outro problema são as regras dos duelos que são totalmente bizarras e muito diferentes do TCG. Você pode fundir qualquer carta de sua mão com qualquer outra carta ou mesmo com todas e formas criaturas aleatórias, sem falar que você sempre saca até ter cinco. É muito bizarro.

Agora, isso não é o pior. O pior são os vilões robados pra caramba. O jogo não permite que você tenha as melhores cartas, mas… Fuck You. Os vilões tem as jogadas mais robadas e impossíveis.

Eu já não gosto de PS e esse jogo está na minha galeria de coisas bizarras do PS/Sony. Só se vale pelos gráficos.

“Somente zerei esse jogo usando recursos do emulador de PS1 que tinha. Não vou dizer como, mas sim, eu usou trapaça. 🙂

Nota 3, para este bizarro game. Isso é figado de Porco Cru! Em 3D ainda para agradar os fanboys de Playstation/Sony. 🙂

Fígado de Porco Cru em 3D
Fígado de Porco Cru em 3D

E ainda dei muita nota para esta coisa paia que um dia já joguei.

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada são Forbidden Memories.

Por Akanadin.

Yu-Gi-Oh! Aniversário 15 anos – História, Saga e Coletânea Bignada Quasar

Yu-Gi-Oh! Aniversário 15 anos – História, Saga e Coletânea Bignada Quasar.

Yugioh!
Yugioh!

Yu-Gi-Oh! (em japonês: 遊☆戯☆王 Yū☆gi☆ō?, Pequena Criatura das Trevas) é uma multi-franquia japonesa que se iniciou com a série homônima de mangá criada por Kazuki Takahashi em 1996, que, mais tarde daria origem à outras mídias, como adaptações para anime eTrading Card Games.

Yu-Gi-OH - The King of Games
Yu-Gi-OH - The King of Games

Yu-Gi-Oh!: A história

À primeira vista, a trama nos remete aos clássicos dos mangás shonen (voltado para meninos), mostrando o protagonista, o ingênuo Yugi Muto, despertando o seu aparentemente “eu interior verdadeiro” e lançado na chamada “saga de superação”, tradicional do gênero: ele precisa aprender a driblar os obstáculos que surgem em seu caminho  seja escapar de um trote de um aluno mais velho na escola, ajudar um amigo ou desvendar o lendário “Enigma do Milênio”.

Mas isso é pouco para justificar as 15 milhões de edições do mangá de Yu-Gi-Oh vendidas só no Japão. Tomando o Egito antigo como referência, Kazuki Takahashi, autor do mangá, criou um jogo de cards que virou febre em todo o planeta: Monstros de Duelo (Duel Monsters). O card game, que surgiu nas páginas do mangá estrelado por Yugi e seus amigos, traz regras mais simplificadas se comparadas às dos jogos de RPG mais tradicionais ­ como Magic. Mesmo assim, o duelista é obrigado a ter um notável conhecimento sobre os poderes e fraquezas dos monstros e “itens” representados em cada uma de suas cartas para triunfar em suas batalhas. A estratégia escolhida também é fundamental para o êxito durante um duelo de monstros. E onde encontrar as informações mais preciosas sobre as cartas e estratégias? Sim, no mangá!

A história de Yu-Gi-Oh! começa há 5 mil anos. Os faraós, que moravam no Egito de antigamente, disputavam o Jogo das Trevas. Era uma batalha de monstros tão perigosa que podia acabar com o mundo. Para proteger o mundo, um dos faraós escondeu o poder do Jogo das Trevas em sete relíquias.

Cinco mil anos depois, agora mesmo, um garoto chamado Yugi Mutou encontrou o poder guardado em uma das relíquias. Foi assim: Yugi ganhou um quebra-cabeça egípcio – o Enigma do Milênio (que era, na verdade, uma das relíquias que escondia uma parte do poder mágico do Jogo das Trevas). Então, quando Yugi montou o quebra-cabeça, descobriu o segredo e ficou com esse poder.

Yugi adora jogar o Duelo de Monstros (um jogo de cartas). O que ele não sabe é que o Duelo de Monstros é o mesmo Jogo das Trevas. Quem inventou o Duelo de Monstros foi Maximillion Pegasus – que também possui uma das sete relíquias: o Olho do Milênio. Só que Maximillion Pegasus é vilão e usou o poder do Olho do Milênio para reativar o Jogo das Trevas (aí, para disfarçar, mudou o nome para Duelo de Monstros). Yugi vai tentar, com o poder tirado do Enigma do Milênio, salvar o mundo. Quando Yugi usa esse poder, vira Yami Yugi. O Enigma do Milênio possui a alma do faraó Yami (que também era chamado de Yu-Gi-Oh).

Eu sei de tudo isso, mas há quem não saiba. Não estava planejado isto, mas resolvi fazer uma coletânea dos jogos de Yu-Gi-Oh! e outras coisitas mais. 🙂

Há um bom tempo eu li sobre isso em um fórum por aí, agora que estou com tempo resolvi passar pra cá.

A maioria das pessoas que assistiu o famoso Anime Yu-Gi-Oh!, só puderam ver depois que o mesmo passou pelas mãos da 4Kids(empresa americana responsável pela tradução do desenho e dos Cards). O que foi visto foi, quase que completamente, modificado.
A cultura japonesa fala muito de religiosidade, misticismo… e isso é mostrado sempre nos Animes como uma coisa normal, nada de muito assustador pra eles. Essa é uma grande diferença entre os Animes e os Cartoons. Já nos estados Unidos, os adolescentes não se interessam muito por desenhos animados, tendo seu maior público voltado as crianças.
Mas como mostrar um Anime onde se fala em morte, bruxaria, magia negra, onde tem violência, sangue para um país como EUA? O negócio é mudar tudo isso e deixar apropriado a elas. Assim o Anime foi infantilizado, tendo muitas cenas modificadas e cortadas, falas alteradas…

Abaixo segue um artigo que retirei de um fórum, não sei se ele ainda existe.

Obs.: O artigo informa certos links pra alguns vídeos, porém eu não tenho nenhum deles e também não sei se ainda estão ativos na Internet.
Mas é fácil encontrar os episódios originais completos
__________________________________________________ _______________

OBS: Eu resolvi fazer uma supermatéria para vocês compreenderem melhor o verdadeiro Yu-gi-oh! que foi totalmente destruído pela 4KIDS da Wanner Brothers. Se você é fã do anime, mas está impaciente, dê uma lida nas partes censuradas abaixo (com o título “DIALOGOS ALTERADOS, ABERT…”) e na “CONCLUSÃO” e “CONCLUSÃO GERAL” no final da matéria. Agora para aqueles que não vão com a cara do anime, pelo menos dê uma lida no ultimo título “CONCLUSÃO GERAL” logo no final, pois é muito importante para todos nós Otakus. Agradeço a paciência de vocês.

Ja fas um tempo Yu-gi-oh! Era anunciado na TV paga e logo chegei a pensar “Oh não, mais um clone horrendo de pokemon!”. Eu na maior falta do que fazer, resolvi dar uma olhadinha no anime no seu dia de estréia, convencido de que era o mais recente grande sucesso no Japão. Havia começado, o anime era muito bem feito, ficou interessante… Chegou até o final e não conseguia fechar mais a minha boca, o anime era bom demais! Mas por ser da versão americana os cortes e os furos forçados no roteiro eram bem visíveis ( eu que sou Otaku desde a época do CDZ, conheço muito bem essas coisas). Porcausa disso, resolvi ficar muito tempo pesquisando pela internet para descobrir o verdadeiro Yu-gi-oh! , e agora posso lhes apresentar todas as verdades sobre esse anime, que esta longe de ser visto por aqui…
Antes de apresentar esta supermatéria, queria lhes dizer que essa matéria pouco tem a ver com as que vocês lêem em famosas revistas por aí. Porque lá não existem redatores e sim um bando de amadores que só faz apenas um resuminho rápido do que viu na versão americana da TV (muito falsa, logo abaixo irei lhes mostrar o escândalo). Qualquer um daqui é capaz de fazer uma matéria melhor do que eles! Fiquei quase um ano elaborando essa matéria com maior cuidado para vocês e apesar de estar muito grande eu agradeço a paciência de todos. (desculpe a postagem confusa das figuras, tive dificuldades para posta-los)

INTRODUÇÃO
Yugi tem 16 anos (isso mesmo!), era um nerd sem amigos do 2° ano do 2º grau da escola japonesa Domino High School. Apirralhado e fracote , vivia matando aulas de educação física, era zombado por todos e ainda servia de saco de pancada para os arruaceiros da escola, enfim um pobre coitado! Seu principal passa tempo era jogos, principalmente o enigma do milênio dado pelo seu avô há 8 anos atrás, onde ninguém jamais conseguiu resolve-lo. Ao colocar a ultima peça restante, o item liberou uma grande carga de poderes, penetrando-o. Dizia as lendas àquele que conseguisse resolver o enigma, libertaria um grande poder das trevas para dentro de si. Ninguém nada menos que uma grande alma maligna, que haveria de jogar nosso amiguinho para encarar desde perigosos bandidos à fúria dos Deuses Egípcios! E outro personagem que se destaca bastante é o deliquente juvenil chamado Jounouchi (Joe). Jounouchi não é um cara lá muito chegado a pensar, o negocio dele é resolver os problemas no braço! Sua personalidade é instável, sujeita a chuvas e trovoadas no decorrer do período! E não pense que Jounouchi é uma daqueles bons meninos de ouro, com pobleminha familiar mixuruca! Só procê ter uma idéia até onde vai a coisa o pai dele gosta mesmo é de uma manguaça! O veio é bebum mesmo, pau-d’água, cachaceiro e não dá a mínima pro filhote! Taí um motivo de verdade pra ser revoltado! (isso não aparece na versão americana, veja mais a seguir!). Mas tarde durante a série, a energia que move os personagens que nem os Cosmos Zodiacais é o “Ka” ( vide “CULTURA” abaixo). Contando com a ajuda de sua alma maligna aprisionada e mais 3 muleques revoltados, Yu-gi-oh! é uma chuva de gente má, safada, que rouba esmola de ceguinho!

HISTÓRICO
Criado por Kazuki Takahashi, YGO (Yu-gi-oh! como vou chamar mais adiante) surgiu primeiramente no manga em 1996 na revista semanal Shonen Jump ( a revista para público adolescente de maior sucesso no Japão que já publicou grandes sucessos entre eles Yu-Yu Hakusho, Saint Seiya, Rurouni Kenshin e muitos outros). A história já rendeu manga pra caramba, 32 volumes, cada um com 200 páginas e até hoje vem sendo publicado por lá! São histórias com muita ação, um enredo cheio de tramas e reviravoltas e que chega até inserir mitologia egípcia na sua trama, enfim uma verdadeira Saga. Para a surpresa de muitos o mangá do YGO começou sem o seu famoso RPG card-game, e ficou muito tempo assim até o volume 8, ou seja, 1600 páginas! Acontece que Yugi surgiu como uma espécie de herói diferente, que tinha 2 almas (uma idéia bem interessante que mais tarde inspirou outros mangás legais e conhecidos como o “Hikaru-No-Go” em 1998). Toda vez que ele se metia em confusão, a alma do faraó aprisionado nele era “ativado” para enfrentar o seu inimigo com…jogos? Isso mesmo, Yami, antigo faraó rei dos jogos, provocava seus adversários a disputar jogos de acordo com a personalidade do malfeitor, ou seja, se o cara fosse um bandido marginal seriam jogos ilegais de cassino e do submundo, às vezes chegava até envolver alcoolismo! Já com adversários mais jovens eram jogos mais infantis e porai vai. Caindo nessa isca, os adversários convenciam em aceitar os seus jogos. Aqueles que partiriam para EDITADOda encima do Yami, recusado aceitar a sua derrota ou desistir no meio do jogo, receberia pelo próprio Yami uma magia chamada “punição das Trevas” dentro de sua mente, ficando sob loucura por dias! Já o card-game foi introduzido pela primeira vez no volume 3 quando o Avô do Yugi, ex-arqueólogo aposentado, depois de uma viagem aos EUA trouxe de lá o card-game chamado “Magic & Wizards” para a sua loja de jogos no Japão. O jogo era uma versão genérica do famoso “Magic the Gathering”, mas ele ficou no 2º plano por muito tempo (Yugi apenas jogava algumas vezes), visto a intenção do mangá de focar na diversidade dos jogos. O card-game tornou-se tão popular que o autor não agüentou mais receber dos leitores pedidos para dar mais atenção nesse jogo e a partir do vol.8 começa toda aquela história do anime da TV, ou seja, o autor decidiu a partir de então trabalhar somente no card-game. Foi um golpe de mestre que fez ganhar muito mais popularidade no seu mangá além de se tornar uma franquia de peso para varias empresas apostarem suas fichas nele…

O ANIME
Antes do anime que nos conhecemos já havia surgido “Yu-gi-oh! Game of the Darkness” em 1998, animado pela decadente TOEI (hoje recuperada da crise), cuja missão era dar “vida” aos primeiros volumes do mangá, mas terminou prematuro com apenas 28 capítulos. Com um roteiro muito mal adaptado em relação ao manga, personagens baixinhos (coisa bem de TOEI na época) e uma animação de baixa qualidade, resultou num fracasso total depois de BT`X em 1996( obra de Masami Kurumada (Saint Seiya), outra grande aposta da TOEI que também fracassou). Mas o desastre não queimou o filme do manga que ainda continuou firme fazendo bastante sucesso junto com o seu card-game, até que apareceu nada menos que a Konami fazer outra grande aposta do nosso conhecido anime que fez o seu debut em abril de 2000…

E O NOVO ANIME COMO FICOU?
Ficou muito bem feito, a animadora N.A.S. que nos trouxe Evangelion caprichou muito bem aqui, ainda mais financiado pela Konami. Uma animação rica em detalhes, muitos efeitos especiais e uma taxa de quadros altíssimo para uma série de TV, ainda mais para uma série que já conta com mais de 150 episódios atualmente! O enquadramento aqui também é de dar prêmio: é cheio daqueles closes maneiros nos rostos dos personagens para realçar as suas emoções e o freqüente uso de perspectiva para dar mais ação e dramaticidade nas cenas (técnicas caras, usadas em poucos animes como o Rurounin Kenshin, Silent Mobius e Cowboy Bebop). E mais o novo caracter design, bem mais realista que no mangá e com modelos grandes e cheios de traços, dando mais “poder” aos personagens. Tudo isso foi o suficiente para elevar a série do fundo do poço a arrumar um lugar ao sol! A Konami esperta lançou quase ao mesmo tempo o card-game da série que há anos só era visto nas páginas do mangá, e foi um verdadeiro fenômeno, permanecendo até hoje o card-game mais popular do Japão. A partir daí surgiram varias outras mercadorias como jogos para gameboy, playstations, tranqueiras… Foi um sucesso total! Mas tem algo que realmente não agradou nessa nova versão do YGO. Para evitar problemas de direitos autorais, a Konami decidiu trocar o nome do card-game “Magic & Wizards” do mangá para Duel Monster ( Magic já tem dono!), tanto no anime como em seu card-game. O novo nome é um tanto besta, que nos faz lembrar daquelas pragas que queremos tanto esquecer… Muito mal escolhido, que fez todo mundo aqui no ocidente ,inclusive eu , ignorar o anime como mais um daqueles milhões de clones de pokemon, se nem mesmo sabíamos o seu conteúdo! Mas felizmente nada mudou no mangá que permaneceu com o nome “Magic&Wizards”(“M&W” como vou chamá-lo mais adiante) no seu card-game, visto que as decisões do autor eram independentes da Konami. Como a nova série não era continuação da fracassada série da TOEI, o grande desafio da Konami era começar a história a partir do Vol.8 do mangá , devido o medo de repetir o fracasso da série de 98 que chegou perto desse volume e, claro, o interesse pelo card-game que começou a ser bem aplicado a partir daí. Então se decidiu resumir, no meio do roteiro, apenas os elementos chave dos volumes anteriores como os históricos dos personagens, eventos marcantes, etc. O resultado se saiu muito bem, a Konami com mérito conseguiu elaborar um novo roteiro que desse ao público a essência de toda a série desde o seu 1º volume, e olha que resumir 1600 páginas é tarefa pra poucos! Mas o anime também tem os seus pontos negativos. Como todo grande sucesso, assim como aconteceu no anime Rurounin Kenshin, a Konami , que patrocina e dirige o anime, algumas vezes acrescenta uma mini-série com alguns episódios entre o desfecho de uma saga com a outra a começar (os famosos episódios tapa-buraco), inexistentes no roteiro do manga. Justamente para alongar o sucesso da série até o seu ultimo capítulo, com medo do autor a qualquer momento terminar a sua obra, já que o seu trabalho é independente como citei antes . Mais o menos assim: no momento que o autor terminar o manga, no anime ainda falta 20 capítulos até chegar na parte final do manga devido ao “atraso” desses capítulos. No começo eles tinham um roteiro fraco e eram geralmente mal desenhados como a chatíssimos episódios do “The Big 5’s Trap, Duel Monsters Quest” (“Digital Duel Monster” na versão americana, nos eps. 41 à 43) e o “The Girl from America” ( “The watch of Rebeca” por aqui ,nos eps. 39 e 40). Agora após o final da saga “Alcatraz Duel Tower” eles apresentaram uma trama decente que até insere mitologia grega e elementos de religião satânica! Atualmente eles estão sendo exibidos somente no Japão, se preparando para receber a provável ultima saga da série que por enquanto só está no mangá, “Pharaonic Arc”. Mais a seguir irei lhes indicar os melhores links para você acompanhar as aventuras de Yugi e sua turma tanto no mangá quanto na TV do Japão. Não estou querendo ser nenhum “desmancha-prazer”, mas como os americanos destruíram completamente a história e as cenas do anime que passa poraqui, não há absolutamente nenhum problema de você saber o que aconteceu e o que está acontecendo por lá, e você ainda estará aprendendo mais do que assistindo a versão falsa do anime dos EUA, mesmo vendo simples figuras e textos!

O MANGÁ
Tecnicamente falando o mangá do YGO é bastante bem feito. Os traços de Takahashi são muito bom, bem firme e preciso, que insere bastante traços e detalhes nos personagens e no cenário, fazendo uma arte-final muito bem acabada. O que decepciona aqui é o caracter design, pouco realista para uma série que leva o roteiro de seu tipo, notável nos personagens masculinos onde ele tem a mania de desenhar pernas afinadas neles. E apesar da série se basear no mundo real, ter personagens do Japão enfrentando os dos EUA e tal, o autor por gosto duvidoso resolveu homenagear a sua cidade natal Tókio por um nome de um dos seus jogos favoritos. E eis o nome: Domino City. Nome bem a cara da cidade japonesa… Mas esses defeitos não comprometem o belo espetáculo das cenas de ação que são de cair o queixo e o ótimo roteiro que a série leva.

DIÁLOGOS ALTERADOS, ABERTURA CORTADA, ZILHÕES DE CORTES, ROTEIRO MEXIDO!
Não satisfeito por ser um anime voltado para o público adolescente, os americanos resolveram meter o dedo porco encima do roteiro. Nos otakus vivemos criticando a Globo pelos cortes que ela faz nos seus animes considerado por ela infantis, mas nunca iríamos acreditar que existiria coisas bem pior que isso (e bota pior nisso!)! Os caras são xiita mesmo! Puritanos fanáticos! A distribuidora 4KIDS Entertament (subsidiária da Wanner Brothers, que trouxe o malfadado Pokemon no ocidente) por puro preconceito e interesses comerciais voltado ao seu público( o próprio nome dela diz, “for kids”, dah!), literalmente esquartejou o anime da maneira mais sanguinária e brutal! Justamente para seguir o padrão deles de que anime é coisa de criança. Dêem só uma olhada em algumas das milhões de cenas politicamente incorretas (pra eles) que jamais serão visto na versão americana que passa poraqui:
Não se esqueça:
VA- Versão Americana
VJ- Versão Japonesa

-Veja os nominhos que os caras colocaram:

Jounouchi Katsuya- Joe Wheller
Anzu Mazaki- Tea Gardner
Honda Hiroto- Tristan Taylor
Mai kujaku- Mai Valentine
Shizuka Katsuya- Serenity Wheller
Pegasus J. Grawford- Maximilian Pegasus
Cynthia – Cecelia Pegasus
Keith Howard- Bandit Keith (se pronuncia “quêiti” e não “quíti” como no erro da dubragem)
Sugoroku Mutou- vovô ou Salomon Mutou
Insector Haga- Weevil Wonderwood
Dinosaur Ryusaki- Rex Raptor
Otogi Ryuji- Duke Devlin
Ryuta Kajaki- Mako Tsunami
Player Killer- Panic
Pandora- Arkana
Isis Ishtar- Isisu
Malik Ishtar- Maric

Logo abaixo irei usar o nome dos personagens da versão original, porque chamar um japonês de DÂQUI DEVILIN é pura ofensa contra eles!


VA- No primeiro capítulo nós vimos a cena onde os capangas do Kaiba vieram seqüestrar o avô do Yugi e mais tarde Yugi com seus amigos vieram resgata-lo, muito fraco mas sem nenhuma explicação. Depois Anzu e Honda ajudaram a levar ele para o hospital e então Yugi resolve enfrentar o Kaiba.
VJ- Os capangas vieram seqüestrar Sugoroku,mas não só isso como também resolveram dar EDITADOda nele, forçando ele a duelar contra o Kaiba. Bem o resto vocês já sabem…


VA- No episódio 12, Mai guiou Anzu para tomar banho no chuveiro por perto. Depois da Anzu entrar pro banho, Mai resolve ficar perto do chuveiro conversando com Jounouchi frases bobinhas (no original japonês ela na verdade fez ameaças a aqueles que ousarem bisbilhotar Anzu no banho). Anzu de repente ouviu um barulho por perto e ela critou assustada. Mai alertada resolveu dar uma olhada por volta dizendo que não tinha nada e “do nada” (veja o que era esse “do nada” abaixo) aparece a cena da turma toda comendo a janta.
VJ- Mai sugere a Anzu para tomar banho no seu chuveiro portátil e ela concorda. Mai próxima ao chuveiro fica vigiando fora para prevenir alguém de espiar Anzu no banho. Naquele momento um luxuoso transatlântico veio ao redor da baia por perto. Anzu então pergunta para Mai porque ela resolveu participar no Reino dos Duelistas. Mai disse para a Anzu que ela costumava a trabalhar num luxuoso transatlântico, exercendo a profissão de “Casino Hostess” ( não conheço uma tradução literal para esse termo, veja as imagens abaixo para você ter uma idéia). Ela costumava ver vários tipos de pessoas ricas e que não ia muito com a cara deles. Mai perguntou porque Anzu anda sempre com Yugi e os outros, e a Anzu respondeu “Porque nos somos amigos”. De repente um zunido do outro lado do chuveiro assustou Anzu, e Mai foi checar e não viu nada. Enquanto Jounouchi e Honda estavam prontos para espiar a Anzu no banho ( o Yugi tentou os impedir, mas ele era fraco demais para impedir a ação dos safados), Mai apareceu por traz e deu EDITADOda nos dois pervertidos, deixando assim a Anzu tomar seu banho em paz.

-Na cena onde os capangas foram na cabana onde estava o Kaiba para matar ele ( na versão americana eles trocaram a palavra “matar” em “causar um acidente”, LOL). Ao chegar nela os caras apontaram suas pistolas em direção ao Kaiba pronto para atira-lo. Quando Kaiba chutou a cadeira neles, um deles atirou e Kaiba com a sua maleta refletiu o tiro para a janela, quebrando-o. Assim ele pode fugir da emboscada. Na VA a 4KIDS apagou a arma na mão dos caras e botou pra eles dizerem ao Kaiba que “ Pegasus quer ter uma conversinha com você” (note que na montagem os dedos indicador deles estão deformados).Vídeo em japonês:LINK ( OBS: O clip é em estreaming, suporta somente o RealOnePlayer)

-Tentativa da 4KIDS de “pokemonizar” o anime: “Vai Guardião Celta !!!”, “ Vai Gladiador !!!”, “Vai Harpia !!!!”, “Vai Pikachu !!!”, “Vai Borboleta !!!!”, etc. Os caras aqui conversam com seus cards como se eles tivessem vida ou como se eles fossem um bichinho de estimação, veja que meigo… No Original Japonês não existe nenhuma dessas baboseiras, afinal tudo não passa de um jogo com imagens virtuais! A 4KIDS quer que você acredite que ali é uma espécie de uma briguinha de galo, que nem os pokemons da vida.

-O Coração das Cartas ???? Desde quando isso existe no original Japonês??? Os caras inventam essa e mais outras frases besteirol para “esconder” alguns diálogos que eles acham impróprios para as criancinhas.

-Achando que a Harpy Lady (Harpia) veste aquele agasalho azul? Pois dêem só uma olhada nela no original japonês. Veja ela no vídeo (japonês): LINK( OBS: O clip é em estreaming, suporta somente o RealOnePlayer). O clip é um pouco demorado, mas tenha paciência que ela aparecerá no final do clip.

E o foda que os americanos botaram uma voz de pokemon nela… ( no original ela mais outros cards com aspecto humano tem vozes humanas, só que eles só gemem quando tomam EDITADOda).

-Já viu também como é a sereia da concha? Na VA os caras vestiram ela com uma roupa de mergulho verde e implantaram nela uma voizinha ridícula.

-Barrel Dragon ( Dragão Barril)?? Olha só o que você perdeu! ( Revolver Dragon): LINK do vídeo

-A 4KIDS não só altera o visual dos cards “impróprio para menores”, como também censura os seus nomes originais. Quaisquer nomes relacionados a demônio, gótico, vulgar e religião são totalmente cortados aqui. São praticamente proibidas as palavras Demônios, Inferno, Matar, Morte, Deus, e qualquer coisa do tipo (Esqueça o que você ouviu na TV! Não ligue para os “demônios” que você ouve na dublagem daqui, a dubladora Parisi Vídeo enfeitou o nome de vários cards da VA).
EX: Demônio da Selva (dublagem daqui) – Feral Imp( VA)

Olhem so q ridiculo isso

Abaixo o nome dos cards da VJ e a censura da VA, respectivamente:

Death Guardius – Des Gardius ( esse doeu…)
Gear Freed- Gear Fried
Gargoyle – Ryu-Kishin (censurado porque Gárgula representa um demônio, a 4KIDS dando de uma que sabe japonês…)
Summon Demon – Summoned Skull
Holy Barrier – Mirror Force
Cry of the Living Dead -Call of the Haunted
Imperial Decree -Imperial Order
Raise Dead -Monster Reborn
Mischevious Demon -Twins Delinquent Duo
Android Psycho Shocker- Jinzo
Killer Snake -Sinister Serpent
Black Demon Dragon – Red Eyes Black Dragon
Elf Swordman – Celtic Guardian
Angel’s Gift – Graceful Charity
Revolver Dragon- Barrel Dragon

Os cards Deuses:
Lord of Destruction, The God of Obelisk – Obelisk the Tormentor
Saint Dragon, The God of Osiris – Slifer the Sky Dragon
The God of Sun, Dragon Ra – The Winged Dragon of Ra

E esses são só alguns, pois existem muitos outros que não irão caber aqui!

-Nomes muito vulgares também são censurados aqui, veja logo abaixo o nome do original japonês e a sua versão censurada, respectivamente:

The Big 5’s – The five executives of Kaiba Corporation ( os cinco executivos da Corporação Kaiba)
Solid-Vision-Tecnology – Hologram tecnology (tecnologia dos hologramas)
GHOULS – Rare Card Hunter ou Rare Hunter.

-Agora as mexidas no roteiro e no enredo do anime:

1) (Ep.26)
VA- Na cena onde Yugi se guia pela voz de seu avô. Ao chegar no Jardim do castelo de Pegasus, ele encontra 3 Tábuas na posição vertical, cada um deles com os cards da alma do Kaiba, Mokuba e Sugoroku aprisionadas. E então Sugoroku diz a Yugi: “Yuuugiiiiiiiiiiiii!!!!!!! Você tem de impedir Pegasus de obter as 7 relíquias, senão ele irá dominar o mundo!!!”
VJ- Não eram 3 tábuas e sim 3 crucifixos ( a equipe de montagem da 4KIDS deve trabalhar feito escravo para censurar o anime…). Naquela parte Sugoroku disse ao Yugi que o Pegasus é mais poderoso do que ele imagina. Sugoruku disse que a alma do Pegasus está no inferno e que Yugi irá precisar de forças para lutar contra o Pegasus e os seus poderes do inferno, caso contrario esse poder irá tirar a sua vida.

2)
VA- Objetivo do Pegasus: Obter todas as 7 relíquias e dominar o mundo.
VJ- Objetivo do Pegasus: Assumir o controle da KC ( Kaiba Corporation) com a ajuda do “The Big 5’s” (os 5 executivos da KC, por aqui). O Big 5’s trairiam o Kaiba, tentando-o matar para poderem apoderar da corporação. Pegasus visava trair o Big 5’s mais tarde para obter exclusivamente a posse da KC, assim adquirindo o que ele mais aspirava, “Solid-Vision-Tecnology” (tecnologia dos hologramas, na VA). Ele queria usar essa tecnologia para fazer um modelo virtual de sua esposa morta para servir de sua apreciação. Isso é revelado no ep.39 quando a Anzu estava lendo e contando o diário do Pegasus. O engraçado é que nessa cena ao chegarem no quarto do Pegasus, Jounouchi primeiramente tenta ler o diário, só que ele reclamou dissendo que não entendia inglês, afinal eles são japoneses! Então a Anzu era a única do grupo que sabia inglês, pedindo a Jounouchi o diário para poder traduzir em japonês para a turma. Por puro racismo, a 4KIDS cortou toda essa conversa, não querendo aceitar que os americanos estão no 2º plano da história.
E também eles “limparam” o rosto de Pegasus sujo de sangue depois de Shadi extrair o seu olho ao colocar o olho do milênio nele. E tem vídeo aqui (japonês. OBS: pegue o URL do link e coloque ele no Windows Media Player em “File>Open URL” ):
LINK
http://img459.imageshack.us/img459/3722/…susdi1.jpg
http://img242.imageshack.us/img242/1327/…us2ys8.jpg
http://img459.imageshack.us/img459/5554/…us3di9.jpg

3)
VA- Objetivo do Malik: Obter todas as 7 relíquias e dominar o mundo (e lá vamos nos de novo…)
VJ- Objetivo do Malik: Impedir a reencarnação do faraó (Yami Yugi, sem memória do passado desconhece o seu verdadeiro nome) acreditando que foi ele que assassinou o seu pai durante um ritual sagrado e assim Malik quer matar Yami Yugi por vingança. Malik usa diversos planos para destruir o enigma do milênio de Yugi, onde guarda a alma do faraó e depois de mata-lo, pretenderá tomar o seu lugar de Faraó.

4)
VA- Isis (Isisu) disse ao Kaiba que a origem de Duel Monster foi na época do Antigo Egito onde os magos “sem ter o que fazer” criavam monstrinhos (a 4KIDS tentando esconder a palavra demônio, veja a verdade abaixo) nas tábuas de pedras com suas mágicas , para jogar Duel Monster.
VJ- Isis disse que os dois murais antigos foram descobertos na tumba dos 18 faraós e o Pegasus criou o Duel Monster baseado nesses murais, que na época era chamado de “Jogo das Trevas”. Isis disse ao Kaiba que nos tempos antigos o ser humano e o sobrenatural coexistiam. As pessoas do Antigo Egito acreditavam que os desastres naturais, guerras e sofrimentos do mundo eram causados pelos demônios do coração. Então os feiticeiros do faraó pintaram mural dos demônios nas tábuas de pedra e os lacraram para proteger o mundo. Mas os demônios das tabuas tinham poderes malignos, assim os sacerdotes resolveram obter controle sobre os feiticeiros e dessa maneira puderam usar essa força maligna para seus próprios interesses.
E também na cena onde aparece o antigo Seto e outros sacerdotes duelando no passado, ao invocar os demônios (monstros na VA) eles sempre falam que os oferecem para Ra ou Deus ( vide “CULTURA” abaixo). A 4KIDS sempre corta a palavra Deus, demônios e outras coisas de religião por implicação religiosa (não ligue pros “demonios” que o pessoal da Parisi Video enfeitou na dublagem daqui, pois no americano nunca se fala isso! Pegue por exemplo os games da série e o card-game ,todos da VA e veja se alguns deles estão escritos “demons”, “Gods” ou qualquer coisa do tipo que só aparece na VJ). A 4KIDS gosta mesmo de estragar a história do anime…

5)
VA- No começo do torneio Battle City, Jounouchi diz a Yugi que o seu objetivo no torneio é tentar buscar de volta o seu Red Eyes Black Dragon ( Brack Demon Dragon, no original) roubado pelos Rare Card Hunter ( GHOULS, no original) durante uma emboscada, e que irá ajudar o Yugi para acabar com os Rare Card Hunter e buscar de volta o seu Red Eyes Black Dragon.
VJ- Jounouchi diz a Yugi que o seu objetivo no torneio é de se tornar um verdadeiro duelista tentando assim esquecer o seu passado sujo e viver uma nova vida. Sobre o seu Black Demon Dragon roubado, ele já não quis nem mais saber dele e pronto! Sobre o GHOULS eles no momento ainda não sabem de nada sobre o assunto. Na VA eles cortam o trecho de toda dessa conversa.

Jounouchi aprendeu uma lição com isso, mas quem não aprendeu é a 4KIDS, louco para tirar a grana da molecada com a venda de seus cards falsos ( eles mexem no roteiro de acordo com o interesse de seus lucros, veja que absurdo!).

6)
VJ- (Ep.98 ) Ao chegar na ilha de Alcatraz, Kaiba conta a história do passado dele e de seu pai adotivo sobre a corporação Kaiba. Ele disse que há 10 anos atrás seu padrasto que na época chefiava a corporação Kaiba, ordenou construir na ilha de Alcatraz uma base de um laboratório secreto de sua corporação, onde se encarregaria em desenvolvimento de armas de destruição de massa para fins militares. Há três anos atrás o laboratório desenvolveu o “Solid-Vision-Tecnology” para uso exclusivo de treinamento militar, só que após a morte de seu padrasto, Kaiba decidiu “roubar” essa tecnologia para criar sua arena virtual baseado no jogo Duel Monster ,que se chamou “Virtual-Battle-Arena”. Após isso Kaiba resolve destruir o laboratório de seu padrasto e construir Alcatraz-Duel-Tower em cima das ruínas para esconder a origem dessa tecnologia. Kaiba usará essa torre para sediar a ultima etapa do torneio “Battle-City”. Taí a cena onde explica a origem da Arena de holograma.
VA- Este é o espaço de lazer que eu criei para vocês. A versão americana ainda não emitiu esse episódio, mas enquanto não chega você pode soltar a sua imaginação e pensar num monte de besteiras que a 4KIDS irá fazer com essa parte. Pode prever que eles vão dizer que ali era uma Disneylândia, tubegum , roda-gigante, pense o que você puder! Você provavelmente estará certo!

7)
VJ- ( Ep. 85, cena mostrando a origem dos cards Deuses) Quando o Game Designer, Pegasus J. Grawford, veio para o Egito, ele encontrou antigos murais que mostravam os obscuros duelos do passado. Ele baseou o seu card-game nesses antigos murais e chamou o de “Duel Monster”. Porém com um desses murais ele criou 3 cards inimagináveis, baseado nos 3 Deuses mais venerados do Egito Antigo…

“Saint Dragon, the God of Osiris”
“The God of Obelisk”
“The God of Sun, Dragon Ra”

No seu jogo quem obter esses 3 cards raros, irá ser imbatível para sempre. A pessoa irá dominar o mundo do duelo, e ganhará o título “Rei dos Duelistas” pelo Pegasus. Porém Pegasus se arrependeu de ter criados esses 3 cards raros, pois eles tinham poder divino dentro deles, eles todos tem um poder sobrenatural muito forte. Aqueles que obterem esses cards podem usa-los para o bem ou para o mal. Se um sujeito de coração frio usar esses cards, este poderá ser usado para tirar a vida de alguém. Pegasus tentou cuidar desses cards por ele mesmo, mas ele falhou quando houve acidentes e mortes na sua empresa na tentativa de lacrar os poderes ocultos desses cards. Então ele decidiu adormecer para sempre esses cards, levando ao lugar de onde os murais vieram, num profundo lugar subterrâneo no Vale dos Reis no Egito. O Departamento de arqueologia do Egito aceitou o trabalho e lacrou esses 3 cards em uma das 3 localizações do Vale dos Reis. Porém alguém roubou todos eles… GHOULS, uma notória organização internacional de furtos de cards raros ( mais tarde revelado que era a criação de Malik para cumprir com os seu plano de destruir o faraó). Porém 1 card foi previnido de ser roubado. Isis Ishtar, chefe do departamento de arqueologia do Egito, veio para o Japão, e lá abriu uma exposição em Domino City, onde mostraria os murais que serviu de Pegasus para a inspiração do seu jogo. Depois de chamar o Seto Kaiba, chefe da Kaiba corp., ela deu a ele o único card que foi prevenido de ser roubado, “The Lord of Destruction, The God of Obelisk”. Ela quis servir de Kaiba como isca para atrair os GHOULS que estão com os outros 2 cards roubados, acreditando ser ele o único capaz de derrota-los e assim pegando esses cards roubados. Depois ela pretende tirar a força de Kaiba esses 3 cards e guarda-los no lugar de onde eles vieram no Egito. Alimentando o seu Ego de que conseguiria um dia obter esses 3 poderosos cards, Kaiba criou o torneio “Battle City” para atrair o GHOULS.
VA- Outro espaço dedicado ao passa-tempo. Sei lá, eles vão disser que no antigo Egito tinha cards com pacotinho e código de barra…

E por enquanto eh isso quando eu tive um tempinho q naum tive nads pra fase eu posto mais

Fonte:

http://forums.tibiabr.com/showthread.php?t=310253

http://www.internet.com.br

Yugioh! - War of Pharao
Yugioh! - War of Pharao
My Turn! Draw!
Vou preparar uma coletânea para jogos e outros de Yu-Gi-Oh!

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada é Yugioh!

Por Akanadin.

Crítica de Game: Yu-Gi-Oh! World Championship 2008 DS

Crítica de Game: Yu-Gi-Oh! World Championship 2008 DS.

Yu-Gi-Oh! World Championship 2008 DS
Yu-Gi-Oh! World Championship 2008 DS

Este é último jogo de Yu-Gi-Oh! com o sistema de jogo tradicional. Esse fato se deve ao Yu-gi-oh! 5D, a nova temporada deste anime onde o esquema de duelo mudou com a existência das Speed Spells. Nem deve ter mudado tanto para que seja difícil para me adaptar. Deve ser uma das únicas mudanças, mas é bom que este jogo exista, porque eu prefiro Card Game a moda antiga.

Este jogo é como uma fusão do Ultimate Masters e World Championship 2004 do Game Boy Advenced. Existe o modo aventura onde você vai enfrentando os monstros em seu vasto mundo (Planície, Deserto, Fundo do Mar, Cidade, Vulcão, Mundo das Trevas, Mundo da Luz, etc…), mas também há o modo campeonato onde você enfrenta os monstros e duelistas que liberar. Este jogo é uma grande coletânea dos jogos. Possui todas as cartas e modos de todos os jogos anteriores e também todos os personagens dos episódios de Yugioh Clássico e Yugioh GX.

Uma grande pedida para fãs de TCG e Yugioh!. Neste jogo, pela primeira, na verdade pela segunda vez, pois existe a versão 2007, os monstros aparecem em 3D acima das cartas em campo, uma capacidade que não era possível no Game Boy Advanced.

Nota 10 para Yu-Gi-Oh WC 2008.

Bignadaquasar, onde nada é cósmico e nada é Monstros de Duelo.

Por Akanadin.